top of page
  • Foto do escritorSalmom Lucas Monteiro Costa

CÁRITAS DE GOVERNADOR VALADARES PROMOVE SEMANA DE PLANEJAMENTO DAS AÇÕES DA ATI

Equipe da Assessoria Técnica Independente do Território 4 participou do PMAS, metodologia para avaliar ações passadas e planejar as futuras


“Nenhum trabalho será tão urgente ou importante que não possa ser planejado e executado com segurança”. Foi com essa premissa, que os mais de 40 profissionais da Assessoria Técnica Independente (ATI) do Território 4 (Governador Valadares e Alpercata), pararam temporariamente suas atividades cotidianas em prol das atingidas e atingidos pelo rompimento da barragem de Fundão, para planejar, monitorar, avaliar e sistematizar as ações já realizadas e as futuras da ATI para os próximos três meses. 


Trata-se do PMAS (Planejamento, Monitoramento, Avaliação e Sistematização), ocorrido nos dias 3 e 10 de agosto na sede da ATI CDGV. O evento é uma metodologia da Cáritas Brasileira, que tem como objetivo o planejamento participativo e que, no contexto da ATI, avaliou as realizações referentes ao Ciclo 1 (fevereiro a abril) e Ciclo 2 (maio a julho), além de traçar as metas para o Ciclo 3 (agosto a outubro) referentes ao Plano de Trabalho. 


O primeiro dia de programação consistiu em uma roda de conversa ministrada pela psicóloga Anelise de Oliveira, cujo tema foi “A busca por um ambiente saudável”. Em seguida foi apresentada uma análise de conjuntura do processo de reparação e sobre os acordos administrativos. Ao final, à noite, teve ainda um momento cultural de integração da equipe, chamado “De todos os cantos”. 


Psicóloga Anelise de Oliveira, que ministrou palestra sobre ambiente de trabalho saudável
Psicóloga Anelise de Oliveira, que ministrou palestra sobre ambiente de trabalho saudável (Foto: Salmom Lucas)

No dia seguinte foi feita uma avaliação dos resultados do Ciclo 1 e 2, os desafios para o próximo ciclo e apresentação dos temas prioritários. Nos dias 7, 8, 9 e 10 as equipes de mobilização social, técnica e administrativa se dividiram em três grupos para fazer uma avaliação coletiva dos trabalhos e planejar as próximas ações. O último dia foi reservado para a socialização dos planejamentos entre todas as equipes.


Ana Paula, coordenadora metodológica da ATI CDGV, durante o PMAS
Ana Paula, coordenadora metodológica da ATI CDGV, durante o PMAS (Foto: Salmom Lucas)

Segundo Daphinne Nogueira, assessora técnica da ATI CDGV, o PMAS foi necessário para avaliar o que foi realizado até o presente momento. “Foi bem produtivo e valeu a pena ter tido o realinhamento do trabalho, para que possamos continuar as atividade de maneira exitosa. Então, um dos pontos altos do PMAS, é o planejamento a médio prazo das atividades, que para o dia a dia do trabalho fica mais dinâmico e conseguimos construir algo mais palpável. Então, de modo geral, é um momento de construção desse trabalho de modo mais fortalecido, para as pessoas atingidas”, destacou.  


Para Linda Carten, mobilizadora social da ATI CDGV, foi um momento para refletir sobre as ações passadas, presentes e futuras. “Achei extremamente necessário o PMAS e o sentimento que fica, após essa experiência, é que o trabalho a ser desenvolvido está muito mais alinhado. Trouxe esclarecimentos pontuais e segurança para os passos seguintes. A partir da reflexão das ações realizadas até aqui e o planejamento para Ciclo 3, conseguimos avaliar resultados positivos e negativos, o que nos leva a pensar e agir para que o direito das pessoas atingidas sejam conquistados”, ressaltou. 


Wellington Azevedo (coordenador geral da ATI CDGV) e Amanda Fernandes (gerente técnica) durante o PMAS
Wellington Azevedo (coordenador geral) e Amanda Fernandes (gerente) durante o PMAS (Fotos: Salmom Lucas)

Já para Venâncio de Oliveira, assessor técnico da ATI CDGV, o PMAS foi um momento intenso de distanciamento necessário da rotina de trabalho para poder revisitar o Plano de Trabalho e entender quais seriam os temas prioritários para o próximo ciclo. “Com o PMAS conseguimos consolidar ferramentas de trabalho, que nos permitem ter mais incidência no território. E a ATI é uma grande ferramenta do atingido e esse momento é de afiar a ferramenta de garantia de direitos. Também de fortalecer o entrosamento da equipe, revisitar os temas mais sensíveis, que estão mais dificultosos e pensar mais soluções”.


Sobre os momentos mais marcantes do PMAS, Venâncio destacou dois: a avaliação da memória do que foi feito até o presente momento e o momento cultural. “Quando sistematizamos todo esse processo, a gente vê que fizemos bastante coisa. Então esse momento de memória foi muito importante. Já o momento cultural possibilitou conhecer um pouco melhor sobre a equipe, pois mostrou como os profissionais têm um compromisso com a luta dos atingidos e esse reforçar dos laços humanos é fundamental para melhorarmos como técnicos”, avaliou.


Momento cultural “De todos os cantos”


O momento cultural “De todos os cantos”, organizado pela equipe da ATI CDGV, ocorreu no primeiro dia e foi um dos pontos altos do PMAS de integração entre o grupo . O nome foi pelo fato de parte dos profissionais que compõem a ATI serem de diferentes lugares do país, como Pernambuco, Alagoas, Bahia, Brasília, Paraná, Rio de Janeiro e municípios de Minas Gerais. Além da diversidade de regiões, a equipe, multidisplinar, é também diversa em raça/cor, faixa etária e religiões. O momento contou ainda com um cardápio de comidas regionais, tais como acarajé, cuscuz com carne seca, frango com quiabo e angu, tapioca, goiabada cascão, queijo minas, entre outros aperitivos.


O som ficou por conta do cantador valadarense Wagner Moura, adepto de um estilo musical que valoriza a cultura regional, além da recitação de poemas sobre o Rio Doce, pela escritora Consuelo Sampaio.


Cantador valadarense Wagner Moura durante o momento cultural "De todos os cantos"
Cantador valadarense Wagner Moura durante o momento cultural "De todos os cantos"

Merly Gonçalves, assessora técnica da ATI CDGV e uma das organizadoras da noite, destacou o momento de confraternização, mas também de celebrar os encontros e as diferenças. “Vejo como um momento de trocas e de fortalecimento de vínculos entre a equipe, formada de pessoas de várias cidades e estados, com histórias de vidas únicas e que buscam acolhida em uma nova cidade, em um novo trabalho/projeto, em novas amizades. O tema "De todos os cantos" foi um presente, pois vejo como oportunidade de apresentarmos Governador Valadares e sua cultura como anfitriã, as também de trazer à cena outras culturas vindas do nordeste, sudeste, sul e centro-oeste do país e que se somam na busca por uma convivência mais humana e solidária. Para a equipe, assim como para a ATI, o momento cultural abre as possibilidades de vivenciar a arte e a beleza que há nos encontros com o outro”, destacou.


O momento teve ainda uma exposição fotográfica com imagens enviadas por todos os membros da equipe, com passagens importantes de suas trajetórias profissionais e pessoais. Na oportunidade os profissionais falaram um pouco sobre suas experiências e fatos marcantes de suas vidas.


Próximo ciclo


Os temas prioritários para o Ciclo 3 (agosto a outubro) estão divididos em etapas e sub etapas de execução, que foram devidamente planejados pelas equipes técnica e de mobilização social.


Dentre os temas, estão as Comissões e Controle Social do trabalho da ATI, Registro Familiar, Plano de Ação Comunitário, atendimento das demandas das pessoas atingidas e formações internas e externas.


Equipe da ATI CDGV
Equipe da ATI CDGV (Foto: Salmom Lucas)

4 visualizações0 comentário

コメント


bottom of page