top of page
  • Foto do escritorAlcides Aredes Miranda

SAIBA A ATUAL SITUAÇÃO DA NOVA CAPTAÇÃO DE ÁGUA EM GOVERNADOR VALADARES

A Nova Captação de Água, também conhecida no território  como Nova Adutora tem o objetivo de compensar o município com uma nova fonte de captação de água e garantir mais segurança hídrica, mas ainda não está em funcionamento


Obra da Nova Adutora de Governador Valadares (Foto: Fábio Monteiro)

Nos atendimentos prestados pela Assessoria Técnica Independente (ATI) em Governador Valadares e nas reuniões das Comissões Locais de Atingidos, uma dúvida que sempre surge das pessoas atingidas é sobre a Nova Adutora de água em Governador Valadares.


Para contribuir com a participação informada dos atingidos do Território 4 no processo de reparação dos danos sofridos pelo rompimento da barragem de Fundão, a ATI da Cáritas Diocesana de Governador Valadares fez um apanhado de informações sobre a atual situação da Nova Adutora, e traz neste texto a resposta para essa e para outras perguntas. Confira:


Mas afinal, o que é essa Nova Adutora?



O rompimento da barragem em 2015 resultou em uma contaminação sistêmica no Rio Doce, comprometendo o acesso à água potável suficiente, segura e aceitável para usos pessoais e domésticos. O abastecimento de água em Governador Valadares ficou comprometido à época e a falta de informações gera até hoje desconfiança na população em relação à qualidade da água captada no Rio Doce e fornecida pelo serviço público de abastecimento.


Dentre os termos assinados o Termo de Transação e Ajustamento de Conduta (TTAC), assinado em março de 2016 definiu como obrigação da Fundação Renova viabilizar, como medida reparatória e compensatória, sistemas alternativos de captação e adução, assim como melhoria das estações de tratamento de água nos municípios que captam diretamente da calha do Rio Doce. O objetivo era reduzir a dependência de captação direta de água do rio Doce.


Por meio do Programa 32 ‘Tratamento de Água e Captação Alternativa’ da Fundação Renova, a Renova iniciou a melhoria de Estações de Tratamento de Água (ETA) e Unidades de Tratamento de Resíduos (UTR). Essas melhorias são necessárias para a adequação do sistema de tratamento à nova captação alternativa implantada pela Renova.


Em outra frente, anunciou em outubro de 2017 a implantação da Nova Adutora que faria a captação de água do Rio Corrente Grande até as ETA’s Central, do Santa Rita e Vila Isa, com um total de 38 km de extensão e vazão de 900 litros por segundo. As obras tiveram início em julho de 2018, com investimento inicial previsto de R$ 155 milhões, segundo matéria divulgada pelo Portal G1. Sua manutenção e operação ficará a cargo do SAAE. A ideia é diminuir a dependência em até 68% do rio Doce.


Ela já está funcionando?


Inaugurada há um ano, no dia 2 de março de 2023, a Nova Adutora foi recebida como a solução para garantir mais segurança hídrica para a cidade. Mas a água do Rio Corrente Grande ainda não chegou às moradias das pessoas atingidas.


“Segundo a Fundação Renova, a Nova Adutora está pronta, mas não foi entregue com funcionalidade”, informou o prefeito de Governador Valadares, André Merlo (União Brasil), em discurso no último dia 21 de fevereiro no Fórum Permanente dos Prefeitos da Bacia do Rio Doce.


De acordo com nota da Fundação Renova na imprensa local, as obras da Nova Adutora de Governador Valadares foram concluídas, incluindo a interligação das Estações de Tratamento de Água (ETA) Central, Vila Isa e Santa Rita. Mas, no entanto, a nova captação está atualmente em fase de operação assistida, coordenada pela Fundação Renova e o Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE).


O que falta para a Nova Adutora funcionar?


Segundo o Relatório Anual de Atividades do ano de 2023 da Fundação Renova (acesse aqui), “a operação assistida do sistema de captação alternativa foi realizada em um prazo de duração de 07 (sete) meses a contar dessa data de formalização. Essa etapa foi concluída em 31/10/2023. A Fundação Renova junto ao SAAE e Prefeitura de Governador Valadares buscam a formalização da conclusão do comissionamento e operação assistida”.


Mas ainda não houve essa conclusão. As obras nas ETA’s e UTR’s, necessárias para adequar o atual sistema do SAAE para receber a nova captação, embora tenham recebido melhorias não foram concluídas, de acordo com Relatório Nº 40 (acesse aqui), que integra os documentos da decisão judicial do Eixo Prioritário Nº 9, de autoria da Aecom do Brasil, expert das instituições de justiça.


O que dizem as pessoas atingidas sobre as obras da nova captação?


A população atingida ainda não usufruiu da captação alternativa, mas vem relatando os impactos sofridos com a obra da Nova Adutora. Ruas de diversos bairros e de parte da área central da cidade receberam mais de 5 mil tubos subterrâneos. As obras e a fase de testes da nova adutora também ocasionaram, durante o ano de 2023, pelo menos 6 interrupções no abastecimento de água da ETA Central, de acordo com o site do SAAE.


Durante o processo de instalação e testes da obra, os moradores dos bairros Santa Terezinha e São Paulo relataram danos das mais diversas ordens. Esses danos, advindos das ações de reparação tem causado prejuízos e alteração no modo de vida dos moradores ao redor das estruturas.


A construção das estruturas da nova captação de água e o processo de testes da infraestrutura gerou danos diversos como: bloqueio na distribuição de águas, bloqueio de acesso a ruas e consequentemente a circulação de pedestres, automóveis particulares e transportes públicos. Além disso, há um excesso de poeira no local e ainda danos às infraestruturas das vias (ruas esburacadas por longos períodos), ocasionando danos a automóveis particulares e a diminuição de circulação de clientes em vias com comércios. Por fim, o rompimento constante das infraestruturas durante os testes da obra resultaram em inundações constantes nas moradias e comércios, alterando completamente o modo de vida das pessoas, gerando perda de renda, endividamento e precarização nas condições de vida já que altera todos uma dinâmica das pessoas nesse território.

Comments


bottom of page